Ciclo de Entrevistas – Ivan Rocha

Ivan Ramos Rocha (Ivan), 25 anos, jogador da Odivelas SAD na época 2013/2014, concedeu uma entrevista ao site odivelasfc.com, após ter feito uma época de grande qualidade com as nossas cores.

 ivan-rocha

João: Jogaste Futsal durante vários anos. Foi difícil a adaptação ao Futebol 11? Sentiste dificuldades a nível físico ou na maneira de jogar?

Ivan: Desde já, um obrigado pelo trabalho que têm feito com este site e a oportunidade que têm dado a todos de expressarmos a nossa ideia sobre esta época. Quanto à minha adaptação, não acho que tenha sido um problema. Com os treinos, tudo foi entrando naturalmente e isso foi o suficiente para me orientar no resto do campeonato. As dificuldades que senti foram mais a nível físico, onde a resistência e o peso foram um pequeno problema para mim. O estilo de jogo que tínhamos era simples e fácil de compreender, por isso facilitou muito.

João: Como te defines enquanto jogador? Quais consideras serem as tuas principais características em campo?

Ivan: Como jogador, penso que sou um lutador. Fica complicado responder a isso (gargalhada) mas penso que o remate, o cabeceamento e a disponibilidade física para ajudar os meus colegas, são algumas das minhas características.

João: Ao longo desta época, vimos-te a jogar como ponta de lança e a extremo. Em que posição gostas mais de jogar? E Porquê?

Ivan: Gosto das duas posições, embora saiba que a ponta de lança talvez rendesse mais… Como me disseram pessoas queridas, ” és o extremo mais esquisito que já vi” (gargalhada) mas tudo isso fez parte do meu trabalho de evolução. Precisei ir para as alas para correr um pouco mais.

João: Como foi a tua relação com o restante plantel? Como é que funcionaram enquanto grupo, especialmente nos momentos mais difíceis?

Ivan: A minha relação foi boa com quase todos. Trago boas recordações de todos, eu era um chato para eles e falava de mais (gargalhada), mas este sou eu e tudo o que fiz foi em prol do grupo e nunca a meu benefício. Tenho os que me marcaram mais e que espero que não se esqueçam de mim, independente do caminho que sigam porque eu também os levarei comigo! Como grupo penso que era um grupo jovem mas que sabia o que queria e foi o que acabámos por mostrar. Nos momentos mais difíceis, era fácil unir o grupo porque sentíamos tudo da mesma forma e isso unia-nos ainda mais, para que tudo não passasse de fumaça. Tivemos muitos altos e baixos, com problemas de todo o tipo e conseguimos, juntos, dar a volta por cima. Eu não joguei com jovens, mas sim com homens.

João: E o staff, de que maneira ajudou no teu trabalho? De que maneira a experiência de um ex-internacional Português (mister Luís Andrade) ajudou no teu crescimento enquanto jogador e enquanto pessoa?

Ivan: O staff travou uma dura batalha este ano. Falo neste ano, porque foi este que vivi de perto. Com o esforço e sofrimento do senhor Tó, que com o pouco que havia tentava-nos dar do melhor que era possível, mesmo em questão de material e de apoio. Nunca falhou na hora de me motivar, tanto a mim como os meus colegas. Foi sempre muito presente e a ele um obrigado especial. Quanto aos treinadores, foram uma peça importante na nossa trajetória! O mister Andrade foi, além de um treinador, foi um amigo. É uma pessoa que nos dá oportunidade de poder trocar ideias com ele, sempre muito aberto e recetivo. Embora muitas vezes não concordasse com algumas ideias, ele é dos que manda e eu dos que obedece! (gargalhada) Mas foi um prazer trabalhar com ele. O mister Fragata foi a pessoa que me foi ajudando em termos físicos, e que tudo fez para me ver bem fisicamente. Embora não tenha conseguido chegar onde pretendia, não foi por culpa dele. Pois não se faz omeletes sem ovos… Ainda assim, consegui-me erguer da má forma física que tinha quando cheguei, devido ao bom trabalho que ele foi fazendo. Penso que fizeram uma boa dupla, duas pessoas com personalidades diferentes mas que se deram bem e passaram uma boa imagem. Um obrigado ao senhor Jaime que sem obrigação ajudou-nos em tudo o que pôde.

João: Chegou ao fim a época 2013/2014, onde conseguiram a subida à Divisão de Honra da AFL. Que balanço fazes desta época com o símbolo do Odivelas SAD ao peito?

Ivan: Foi um ano muito bom para mim e começo da melhor forma, com uma subida à Divisão de Honra da AFL. Mas é óbvio que fica aquele gostinho agridoce, pois podíamos, com certeza, ter sido campeões. Infelizmente tal não se realizou. Não vamos lamentar mais, agora é aprender com os erros desta época e não cometê-los na próxima, porque o que não nos mata torna-nos mais fortes, mas o objectivo foi atingido. E era isso o que nos foi pedido.

João: Por esta altura, já deves a estar certamente a preparar a próxima época. Vais continuar no Odivelas SAD, tens propostas para sair…? Podes nos adiantar alguma coisa em relação a isso?

Ivan: Sim, já comecei a preparar a próxima época! Tudo indica que devo-me manter em Odivelas. Embora tenham aparecido umas propostas, é por aqui que quero ficar.

João: Que mensagem queres deixar a todos os Odivelenses (colegas, staff, adeptos…)?

Ivan: Um enorme obrigado pelo apoio de todos os adeptos, que nos acompanharam a todo o lado. Obrigado também aos que nos criticaram, pois ajudaram muito também no nosso objectivo. Aos meus treinadores, diretores e enfermeiro, que foram importantes e incansáveis no nosso processo. Obrigado a todos os meus colegas que nunca desistiram mesmo quando parecia que o barco ia ao fundo. Os que ficaram e lutaram para que isso não acontecesse, a eles um muito obrigado por me aturarem e por me mostrarem que vale apena continuar a jogar. Um abraço a todos. Não esquecendo o fotógrafo e responsável pelo site (Pedro Boléo) que também é parte de nós.

 Reportagem efetuada por João Santos.

A equipa do odivelasfc.com agradece a sua disponibilidade para esta entrevista, e deseja-lhe muitas felicidades e sucesso para o seu futuro.

image_pdfimage_print